Vamos entender  o que foi o AI-5, ato ditatorial defendido por Eduardo Bolsonaro

Postado por Cidadã FM em 05/nov/2019


– Muito tem se falado sobre o AI5 que tanto amedrontou muita gente.

– Líder do PSL na Câmara, filho do presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que governo pode criar “novo AI-5”

– Publicado em 1968, o Ato Institucional 5 (AI-5) foi um dos 17 atos institucionais aplicados pela ditadura militar no Brasil.

– A norma resultou no fechamento do Congresso Nacional e das assembleias legislativas dos estados, permitiu a cassação de mais 170 mandatos legislativos, instituiu a censura prévia da imprensa e de produções artísticas e deu ao presidente a possibilidade de intervenção nos estados e municípios.

– Com o AI-5 também se tornaram ilegais as reuniões políticas não autorizadas pela polícia e toques de recolher tornaram-se frequentes.

– Esses foram os principais efeitos da medida que o deputado federal Eduardo Bolsonaro defendeu recriar em entrevista publicada nesta quinta-feira (31) pela jornalista Leda Nagle.

–  O líder do PSL na Câmara disse que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) “precisa ter uma resposta” se a esquerda radicalizar.

– O AI-5 permaneceu 10 anos em vigor e institucionalizou torturas, assassinatos, perseguições e violações de direitos humanos do regime militar. O Brasil de Fato contou essas histórias em reportagem publicada em 13 de dezembro de 2018, 50 anos após a publicação do ato pela ditadura.

Nossa Agenda